domingo, 25 de janeiro de 2015

Inteligência pura

Baseado em fatos reais...

Hoje vou contar sobre as histórias de uma amiga minha... a bichinha padece de ausência de massa encefálica.

Não preciso nem citar qual a cor dos caracóis dos seus cabelos... Você é livre para fazer esta inferência! Mas vamos ao que importa...

Um dia passei pela praça do nosso bairro e tinha uns bancos interditados para pintura. Quando olho direto vejo minha amiguinha lá... distraída e tranquila! Eu a cumprimento. Ela se levanta e vem ao meu encontro. Imediatamente percebo que a sua saia branca ficou com um detalhe de listras horizontais num tom verde-banco-da-praça... bem na trazeira.

Outro dia, não há muito tempo, ela chegou espantada pra mim... eu pergunto o que houve e me espanto com o que ela fala. "Débora, mulher, tu não sabe quem morreu..."
Eu fico em estado de choque e pergunto horrorizada: "Não! Quem, pelo amor de Deus!?"
Para o meu espanto e alívio ela diz: "mulher de Deus, o Airton Senna."

Na hora eu não soube bem o que fazer. De certo que a morte dele tinha sido um fato muito triste pra maioria dos brasileiros... mas eu tive que responder de uma forma forte. Não sabia como ela iria reagir, mas tive que falar. Respirei fundo e disse: "gata sarada do surf, estamos em 2014 (ainda era neste dia), eu sinto em dizer que, neste "inexorável" ano,  fecham apenas 20 anos que ele deixou esta vida."

Ela ficou estática... em estado de choque. E ainda está viva. Graças à sorte que as pessoas inocentes têm.

Outra feita ela chegou xingando maldizendo a máquina de café expresso. Sabe aquelas máquinas em que você deposita moedas até o valor registrado e ela te entrega um capuccino? Pois é...

A máquina tinha uma placa com informações gerais, instruções de uso e os preços dos produtos. E pra completar tinha um aviso grande em caixa alta e letras vermelhas dizendo "apenas moedas".

Bem, a minha amiga disse que tinha colocado dinheiro pra um café e a máquina tinha engolido o valor e não entregava nem o café, nem devolvia a grana.

Não sei porque eu perguntei... mas eu perguntei como ela tinha feito isso. Eu esperava uma resposta absurda, mas ela se superou.

"Mulher, eu peguei minha carteira e a primeira cédula que eu vi eu dobrei, dobrei, dobrei bem dobradinho e enfiei no branquinho da máquina... Não estava querendo entrar, aí eu empurrei pra dentro com a tampa de uma caneta... e a maldita não me deu meu café! Aquela máquina está me devendo R$ 50,00..."

Eu fico meio tonta só de imaginar a cena... resolvo que não vale a pena contrariar e digo: "mulherzinha, que absurdo! Chama a polícia pra resolver..."

Esta minha amiga é, sem dúvida, um caso de polícia!

Imagina que um certo dia ela precisou sair e usou o carro do marido dela. O bendito carro era automático e com diversos apetrechos top de linha.

A minha amiguinha engatou a ré e o sensor de estacionamento começou a apitar. Num reflexo ela olhou pra trás e, como não viu nada, interpretou que o equipamento estava doido.

Engatou a ré novamente, tacou o pé no acelerador e o carro na mureta da calçada... ela é demais!!!

Eu ri por duas semanas dessa história. Até ela chegar com outra fantástica experiência. Que depois eu compartilho com vocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário