domingo, 28 de dezembro de 2014

Ihhhhh... Agora fedeu!

Diário de uma cearense que conta histórias dos outros...

Era uma vez uma jovem mocinha que precisava fazer exame de fezes... Não lembro bem qual a motivação, mas aparentemente se tratava de uma seleção pra alguma coisa... O que é muito estranho. Onde já se viu fazer exame de fezes pra uma seleção? Muito louco... Mas isso é bem coisa de antigamente...

Fiquei imaginando numa entrevista um diretor de colégio, por exemplo, informando pra um candidato que ele não estudaria no colégio porque não passou no exame de fezes. Ou uma pessoa de RH dizendo pra alguém que ela não trabalharia na empresa porque as fezes estavam meio moles, e isso representava que a pessoa era meio mole também! Sem noção...

Bom, voltando à mocinha... Ela tinha de fazer o bendito exame. Hoje nem é muito comum se fazer a avaliação fecal de um indivíduo... Mas ela tinha de fazer.  Não somente ela, mas todos os seus amigos... Que não lembro se eram da faculdade, ou se eram de um determinado trabalho, ou ainda se eram do colégio...

Antigamente não se entregavam nos laboratórios o recipiente estéril para a coleta do material, então as mamães dos examinados providenciavam um frasco, faziam uma assepsia padrão no recipiente e entregavam para a pobre criatura depositar seu excremento ainda fresco nele.

O procedimento de coleta é meio humilhante. Imagina, a pessoa depois de já ter anos de experiência com o sanitário, teria que usar o amigo penico. Depois, usando qualquer coisa que seria descartada depois, colhia o material e enchia o frasco dado pela mamãe da mais fresca e fedida merda que acabara de produzir.

Bom, o dito popular é verdadeiro quando diz que "quanto mais mexe mais fede", e com a mocinha não haveria de ser diferente. Ela mexeu, fedeu, colheu, colocou no frasco, bateu com a palheta pra ficar mais rente... E finalmente fechou o frasco cheinho de bosta.

Contente com a sua produção, caminha para o laboratório a fim de entregar sua obra prima.

O laboratório era perto da sua casa. O trajeto foi feito a pé mesmo. Ela, magrinha, andava confiante. Cantarolava e balançava um pacote nas mãos... Nem sonhava o que estava por acontecer!

Ao chegar lá encontrou todos os seus amigos. Falou com eles em breves palavras, esclarecendo que deveria entregar o material e que logo voltaria para "botar os papos em dia".

Chamou a recepcionista, respondeu um questionário cheio de perguntas indiscretas, entregou o pacote com o material colhido.

Faço uma pausa para um comentário adicional... É de conhecimento popular que fezes produzem gases. E é de conhecimento antigo que frascos para exames de fezes deveriam ter tampa de rosca, nunca tampa de pressão... Pois é! A pobre garotinha não tinha este conhecimento.

A vítima do laboratório, Ops, a recepcionista, abre o pacote... E booooommmmmmm! Explode uma bomba fecal.

Foi merda pra todo lado, quase como se jogasse no ventilador. Ninguém escapou, nenhum dos presentes saiu ileso. Foi uma chuva de mal cheiro e gotas marrons!

Não consigo nem imaginar a vergonha da garota, nem a indignação de quem ficou sujinho... Deve ter sido o mico da vida.

Pra completar o episódio, a recepcionista informou à bela cagona que havia sobrado um pouco de material no vidro, o suficiente pra fazer o exame. E que ela deveria voltar em três dias pra receber o resultado...

Obviamente ela nunca voltou! Não sem usar peruca, chapéu e óculos escuros!




quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Significado da ceia de Natal na minha casa

Diário de uma cearense natalina...

É bem normal que a noite de Natal seja cheia de simbologia pras pessoas normais. E eu acho até bem interessante... no entanto, aqui em casa...

Se a ceia de Natal acontece na humilde residência dessa que vos escreve pode-se tomar as seguintes conclusões:

1. Usaremos o máximo de itens descartáveis... Estética não é bem o forte, mas a praticidade. Árvore de Natal, ou decoração de Natal também não é essencial... Quanto menos coisas pra arrumar e limpar depois melhor!

2. Provavelmente não terá Peru, chester, tender é muito menos pernil. Não é por nenhuma questão religiosa. É por pura falta de praticidade. Se alguém quiser trazer, ótimo... Do contrário, não teremos! Mas terá: lasanha do Daniel, risoto de frango da Mamãe, e alguma outra carne que eu fizer... Farofa e salada? Pra quê...? 

3. Haverá sobremesa. E será Delícia de Abacaxi. Esta é a única tradição. E nesta tradição há um ritual. Devo fazer duas travessas. Uma pra servir na ceia e a outra que a minha mãe comerá SOZINHA. É a sobremesa predileta da bichinha, é uma das poucas coisas doces que ela gosta. E a minha receita é infalível, ela amaaaaaa!

4. Terei de comprar novas travessas e potinhos de guardar comidinha. Sempre vai uns dois pra casa da mamãe e outros dois pra casa da sogrinha. Não que elas não devolvam... Nada disso! As bichinhas são sempre zelosas e me devolvem. Mas até que eu lembre de ir buscar eu me esqueço que emprestei...

5. Eu vou passar um bom tempo fazendo faxina e fazendo comida. Mas no final das contas, pros meus irmãos principalmente, o que vai importar é que tenha BASTANTE comida gostosa. Do tipo que alimente umas 200 pessoas. Porque se alimentar somente 190 vai faltar! Certamente que o JJ virará o Taz e não terá sossego enquanto ainda tiver arroz e molhinho.

6. Se o Levi e a Rachel vierem também virão deliciosos chocolates suíços. O que aliás, abrindo um "parêntesis", os caras são "phoda" na arte de ferrar a gente com chocolate gostoso. Este ano eu ganhei um pacote de chocolates, cada um do tamanho do ovo de uma codorna, que tinha chocolate meio amargo cobrindo uma amêndoa, com uma casquinha divina. Só não ofereço porque sou egoísta mesmo.... Kkkkkkkk (risada malvada mesmo... E em alto volume)

7. Minha sogra não vai conseguir ficar quieta... To pensando em fazer uma pista de corrida pra ela aqui em casa, pra ela dar umas voltinhas. Acho muito interessante, porque é meia noite e ela está com a bateria em 100%. Enquanto isso, eu, caindo pelos cantos de sono!

8. Maridinho vai vestir uma endumentária ridícula. Só pra fazer charminho. Este ano foi uma blusa de aposentado listrada azul, desbotada e desabotoada. Combinando com um bermudão xadrez verde. A pano passado e com cinto de "jovem mancebo". Muito bem ajustado, ao estilo "centro-peito". E uma bota-tenis de tracking... E glória a Deus que foi só isso. Ano passado teve sapato de couro e meia no meio da canela!

9. Maridinho irá contar seus "causos" pra todo mundo rir... E a gente vai contar os "causos" da mamãe e da sogrinha... E vamos chorar de rir!

10. Mesmo sem beber álcool vou me esforçar pra falar em francês com a Rachel. O que vai ser meio ridículo. Porque o discurso começa assim: "Rachel, je suis très happy for you stay in chez moi."

11. Quando der a hora o Daniel vai dormir... Não importa. O Papa Franciso e o Dalai Lama aqui em casa e ele vai dormir. Sobe, fecha a porta do quarto, liga o ar-condicionado... E que o mundo se resolva sozinho.

12. Eu vou me divertir até altas horas. Alternando entre um cochilo e uma piada. Coincidentemente esta noite quase quebro o nariz. Dormi caindo de frente no chão. Não fosse minha cunhada e o meu irmão... Teria amanhecido numa emergência!

13. Vamos comer, rir, comer mais, rir mais... Trocar presentes, comer, rir... Conversar... E quando a gente tiver cansado e enjoado de comer, não importa, o JJ ainda estará lá. Firme e forte, na sua tarefa de não deixar nada estragar.

14. Se o meu sogrinho comer alguma coisa significa que eu me garanti. Agora, se ele repete... Jesus de Nazaré! Ganhei o ano de 2015. E se, além de repetir, pedir pra levar um pouco pro almoço do dia 25... meu Deusssssss! Sou uma grande chef da culinária! Ontem aconteceu deste jeito. Então hoje eu sou o cúmulo da boçalidade...

15. Vou dormir tarde pra caramba, mas as 5:00 da madrugada do dia 25 o Daniel irá me acordar pra andar de bicicleta, ou correr na pracinha. Hoje pedalamos 15 km, só pra tirar a ressaca...

16. Alguém certamente dará porcaria pro Bóris comer... O quintal amanheceu com marcas de uma noite ruim pro cachorrinho. Mas garanto que na hora de comer ele adorou!

Bom, é meio assim... E eu amooooo!

Feliz Natal pra você e sua família. E que 2015 seja cheio de boas histórias!

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Música na qual Deus falou comigo hoje... compartilhando

Caminho de Milagres

Composição: Davi Sacer / Luis Arcanjo / Ronald Fonseca / Aline Barros

Tudo o que eu fiz foi acreditar
Eu ouvi Tua voz e obedeci

Como pude então ter chegado aqui
Eu não posso crer que é o fim
Dizem: onde está o teu Deus?
Me perguntam o que fazer

Quando o que era difícil
Se torna impossível
Deus começa a agir
Ele abre sempre uma porta
Onde não há saída
O impossível faz acontecer

O impossível ele faz
Ele faz um caminho de milagres pelo mar

domingo, 14 de dezembro de 2014

Vida de artista!



Se tem uma frase que ouço bastante é aquela "já te disseram que você é a cara da Adriana Esteves?" Recentemente a frase mudou para "já te disseram que você é a cara da Carminha da novela Avenida Brasil?"

Já, gente, já ouvi sim. Se vou fazer um curso novo o professor pergunta, se estou num grupo de trabalho diferente alguém pergunta...

E o engraçado é que sempre começam a pergunta do mesmo jeito... com a mesma postura, mesma entonação. Aquela da qual você percebe que a pessoa está se contendo, mas ela não aguenta mais... está doida pra perguntar, mas não quer pagar um mico, ou parecer entrometida!

Eu acho muita graça disso tudo.

A primeira vez que fui ao Rio de Janeiro foi bem engraçado. Era bem na época da novela Avenida BRasil... ao que me contam os amigos cariocas e nikitenses, ela tem praticamente a minha altura e o meu biotipo... eu estava loiríssima... então, vocês podem imaginar.

Fui me aproveitar dos meus momentos de fama. vesti uma roupa largada (tipo que os artistas usam quando estão longe das câmeras), dei um trato no cabelo, fiz uma maquiagem "de leve", taquei óculos escuros na cara (tipo aviador misterioso) e fui dar uma voltinha.

Só faltei morrer de rir das reações. As pessoas passavam por mim e sorriam, outras olhavam duas vezes, pra ter certeza... e eu me fazendo faceira. Levei uma caneta na bolsa, pro caso de alguém pedir autógrafo (pra minha frustração ninguém pediu)...

Gente, mas fama é uma coisa que dura pouco tempo. É só a novela terminar que você fica no ostracismo!

Fazer o quê?!

Estou agora aguardando os próximos personagens que me trarão meus novos apelidos!

sábado, 13 de dezembro de 2014

O dia que quase morri...

Diário de uma cearense debilitada.

A Dona Morte passou um trote em mim ontem, pense numa gaiatinha! Totalmente sem noção.

Aparentemente estava tudo bem. Exceto pela gripe que me acompanha há 7 dias, com tosse de cachorro rouco, voz de sovaco e peito carregado... Mas estava tudo bem.

Mesmo sendo uma sexta-feira eu tinha começado uma dieta super saudável. Várias porções de frutas, proteína magra, fibras e muita água. Comportamento digno de dez estrelinhas no consultório de qualquer nutricionista.

As coisas começaram a mudar depois do almoço... Chega a hora do expediente e com ela umas coisas estranhas mexendo nas minhas entranhas. Num surto de lucidez envio uma mensagem pra Carol com os seguintes termos: "preciso de sal".

Ela nem respira, vira pra mim e pergunta se estou passando mal. 

Não consegui responder com palavras inteligíveis, porque a única coisa que consegui fazer foi chamar o "huuuugooooo" no cesto de lixo na minha mesa.

A partir daí o caos se instaurou. Não imaginava que era possível sentir aquele troço. Não conseguia falar, não conseguia levantar a cabeça, não conseguia respirar... Só sabia suar e colocar os bofes pra fora.

De repente a minha consciência ficou parcialmente comprometida... Me lembro de vozes ao meu redor, pessoas abanando um vento bom, e uma fraqueza angustiante!

Mas ainda não acabou... Ta só no comecinho. Veio a enfermeira me socorrer, com ela veio uma cadeira de rodas e umas questões de vestibular que não sabia nem por onde começar a responder... Sorte que o Kalil e a Carol tem PHD em "manias de Debora" e conseguiram responder muita coisa por mim. 

De repente eu sinto que (com licença da palavra) ia dar merda. Aquele embrulho na minha barriga significava que por cima não sairiam mais nada, que agora o destino estava mais ao sul. Usei o resto da minha razão, e dignidade, pra pedir que me levasse ao banheiro.

Não lembro como cheguei, mas deu tempo. Agora imaginem, o que eu nem queria lembrar, uma cadeira de rodas na porta do banheiro, não sei quantos homens fortes esperando eu terminar o serviço. E dentro do banheiro duas meninas que foram torturadas pelo mal cheiro... Pra piorar a situação, os sons que eu emitia eram também os piores possíveis. De longe dava pra pra se questionar como uma pessoa tão bonita poderia produzir algo tão mortífero.

Ainda não sei como me levantei, nem como fiz a assepsia, nem como saí de lá...
Sei que eu era movida por anjos de luz, numa cadeira, que às vezes trepidava, às vezes flutuava e às vezes eu quase caia...

Depois mais vozes ao meu redor, depois estava no carro com meu marido... Depois acordei numa cadeira de rodas num hospital.

Me levaram imediatamente para um ambulatório. Me lembro de tremer, de gemer, de doer, de vomitar, de lamentar... Lembro da voz do Daniel, preocupado, pedindo pra que eu tivesse calma (tudo bem!?)...

Mais vozes ao meu redor... Os comentários eram o seguinte: "ela está magrinha!"(Menos mal)... "A pressão está normal, mas está quase sem pulso" (valha)... "Ela está desidratada e com hipotermia"(hellowww?!)... "Ela está em estado de delírio" (é não, é?!)

Mas o pior foi quando meu marido falou do meu histórico e das medicações que eu tomo e o médico disse a seguinte frase: "me desculpe o comentário, mas você sabe que pessoas que fizeram redução de estômago ficam um pouco desequilibradas emocionalmente."

Eu fiquei possessa, se tivesse força pra levantar o dedo tinha dado um cotoco pra criatura de jaleco... Depois eu imaginei que ele falou isso porque quando ele me perguntou o que eu estava sentindo a única coisa que me lembro foi de ter dito, de várias formas, que iria sujar as calças.

Os séculos passaram e fui levada pra colher sangue pro exame (e nada de medicação). Passei o dedinho na coisa do plano de saúde e a criatura veio com uma agulha do tamanho do inferno pra me furar. Pra piorar a situação ela errou a veia, não só uma vez... Mas várias! Neste momento eu não aguentei, desembestei a chorar implorando pra sair do laboratório dizendo "quero meu medicamento, quero meu medicamento... Não aguento mais... Por favor!" O desespero foi tão grande que eu acordei no ambulatório novamente.

Eu tremia mais que vara verde... Mas minha redenção estava próxima. Chegou a medicação. Uma pra dor, outra pra enjôo, um protetor estomacal, e outro pra sei lá o quê, talvez pra falta de juízo (o efeito durou pouco)... 

Este foi o momento que minha mãe chegou, este foi o momento que o Daniel voltou a respirar, mas só durou 10 segundos. Porque a mamãe foi me examinar. Os olhos dela me assustaram: ela pegou no meu pulso, viu meus dedos, olhou pra minha expressão e disse pra enfermeira: "chame o médico agora, e traga aparelho xpto (sei lá o que era)! Ela está ficando cianótica"...

Ela passava a mão na minha testa e dizia "respire fundo, respire fundo"... Depois ela dizia: "Debora, continue respirando..."

Eu respirava e pensava "égua, agora quebrou que apartou, eu não devo nem estar respirando... Vão já me ressuscitar..."

Foi, não foi, veio uma máquina que mediu sei-lá-o-quê e aparentemente estava normal...

E foram pra veia as quatro medicações, e mais quatro bolsas de soro fisiológico! 4 horas de pois de chegar no hospital eu era uma pessoa com frio, com fome, com dor de barriga, fraca, mas feliz porque não tinha morrido.

Quando saíram os exames o médico olhou e disse que estava com sinusite! 

Eu penso: "matei a charada, o catarro quis sair pelo orifício errado! Que danadinho!"

Óbvio que este diagnóstico não me convenceu... Mas não tinha mais nada pra fazer. Peguei a receita, a lista de exames e fui pra casa...

Hoje ainda estou sequelada de sinusite, e ainda estou com o intestino #chatiado. Mas a grande lição disso tudo é que depois de quase morrer tudo o que se quer é viver!





  

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

AUSÊNCIA - Jansen Viana (poesia)

Hoje eu me tranquei no banheiro e chorei
O chuveiro eram meus olhos

Hoje Fiquei tonto, pensei que ia desmaiar
O mundo dá muitas voltas, rápido demais

Hoje minha visão ficou turva, embaçada
Meus olhos não viam o que mais queriam ver

Hoje senti uma dor no peito
O peso da ausência me comprimia

Samuel, Samuel, Samuel.
Um neto, uma ausência.

Jansen Viana

Enviado em 25/11/2014

Consequentemente precisando de reparos

Diário de uma cearense com problema de junta.

Final do mês de novembro uma fumaça dos infernos (limpeza de terreno para construção) invadiu minha rua e consequentemente a minha casa. Resultado: rinite crônica que evoluiu pra laringite.

Consequentemente foram 6 dias sem trabalhar, sem conseguir ficar acordada  (entupida de anti - alérgico), completamente afônica...  e coisa de R$ 200 em medicação.

Ok... depois  de 4 dias eu passo por uma perda muito grande e por causa da tristeza profunda a minha imunidade baixa.

Consequentemente gripe forte pra caramba...

Se fosse só isso, tudo bem... mas vem acompanhado de tosse de cachorro rouco e sensações de sufocamento com a garganta irritada.

Achando pouco, fui fazer um check-up ontem e a médica me orientou tomar vacina contra varicela...

E pra piorar esta noite eu tive tantos acessos de tosse que resolvi dormir no sofá, com pena do marido.

Consequentemente: gripada, com dor no braço, torcicolo, garganta irritada... e se não bastasse isso estoura a boca com a maldita herpes labial (não se preocupe, o vírus da herpes simples tipo 1 está presente em 90% das pessoas do mundo, mas só quem tem muita sorte acaba entrando em crise)...

Resultado disso mais R$ 180 em medicamentos! Sem contar com os que eu já tomo pra hipotireoidismo, narcolepsia e por causa da redução de estômago...

Adeus 13° salário... foi bom te ver por alguns minutos!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Sobre saudade, alma e dores

Não é que parou de doer, acho que me acostumei...

Não é que consegui esquecer, apenas sufoco a lembrança mantendo a mente ativa...

Não é que eu sou forte, é que as minhas armaduras parecem resistentes...

Não é que eu esteja bem, eu só aproveito os dias bons na esperança de acreditar que superei.

Ainda falta um pedaço do meu coração.
Ainda a minha alma dói.
Ainda a saudade machuca.
Ainda há lágrimas nos meus olhos.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Leseira minha?

Diário de uma cearense que tem dificuldade com as coisas...

Eu tenho mais de trinta anos. Você deve estar pensando agora assim: "mentira! Nem parece." 

Se você não acredita, tudo bem! Eu agradeço eternamente... :) Mas eu tenho esta idade todinha e continuo com dificuldades que a maioria das crianças conseguem superar já com uns 8 anos, ou até menos...

Tem um relógio de parede aqui na minha casa lindo. Eu amoooo... Foi um presente de casamento de uma das amigas mais queridas que eu tenho. Ele está parado há 4 anos. Já troquei as pilhas, mas o motor do relógio quebrou que apartou de vez. E eu garanto pra vocês que, mesmo com todo este tempo sem funcionar, eu não sei dizer que horas ele está marcando... 

Eu não uso relógio porque os relógios que eu acho bonito sempre são de ponteiro. E quando alguém perguntar que horas são eu não vou saber responder. Certamente eu vou falar uma das três opções que eu sei: 
1. Digo que o relógio está parado; 
2. Digo a hora que eu acho que é, tipo um chute, com margem de erro de uma hora pra mais ou pra menos... E o pior, mais orientada pelos astros que pelos ponteiros; 
3. Digo que não sei dizer que horas são e peço pra pessoa mesmo olhar no meu relógio. Se duvidar eu ainda vou perguntar pra ela que horas são no meu relógio...

E isso não é o pior... Hoje todo mundo tem celular e todo celular tem relógio digital... Então é mais difícil alguém te perguntar que horas são.  

Pior mesmo é que direita e esquerda, pra mim, é a mesma coisa.
Se eu tiver te ensinando o caminho pra qualquer lugar e disser que é à esquerda, ou à direita, desconfie! Eu não sei o que estou falando. Confirme a informação com uma pessoa normal.

E pra completar você coloca o GPS pra ir pra um lugar diferente e a mulher do GPS só usa o vocabulário esquerda e direita... A coisa lá poderia falar mais fácil... tipo "dobre pra cá" ou "em trezentos metros dobre pra lá!" Mas não, prefere me humilhar! 

Caos total... 

Confesso que isso tudo me deixa um pouco mais perturbada. Creio que um dia eu consigo! Tenho fé!

domingo, 30 de novembro de 2014

O verdadeiro nome do Bóris - O schnauzer

O nome do Bóris não é esse. Na verdade este é o seu apelido... a origem do nome do Bóris tem uma looonga história que irei sintetizar pra vocês.

A história começa com o rotweiller, não com um schnauzer.

Um belo dia meu marido compra pra irmã dele um rotweiller... 45 dias apenas, muito fofo! Foi batizado de Barak. Nome forte, pequeno... além disso ele chegou no dia da reeleição do Barak Obama... então veio tudo a calhar.

Mas o Barak estava doentinho (verminose), e por mais cuidados que tivesse com a minha cunhada ele não melhorava porque brincava muito com a areia do quintal e não tinha como controlar a limpeza do ambiente que ele ficava como era necessário para o tratamento.

Decidimos que o Barak ficaria alguns dias aqui em casa até que ele ficasse 100% saudável. Chamamos o veterinário, compramos a medicação e fazíamos revezamento pra medicar o cãozinho... 15 dias de tratamento e ele estava 100%.

Mas o Barak tinha um defeito: suas fezes! Pense num cachorro pra fazer cocô! Era muito, muitas vezes por dia e de consistência pastosa. Era medicação pra lá, limpa cocô pra cá, lava quintal... um deus-nos-acuda. Até o dia que ele voltou pra casa que era realmente dele.

Com a convivência com o Barak resolvemos tambem ter um cachorro conosco. Pesquisamos as raças... eu queria um fofinho, o marido queria um com cara de invocado... tinha que ser um cão de companhia, inteligente e que fosse de fácil cuidado. Decidimos pela raça schnauzer, porte miniatura...

Tudo decidido, pesquisado fomos atrás da criaturinha...

Dia 15/12/12 ele chegou. Brincamos muito com ele... Parecíamos duas crianças grandes brincando com um filhotinho cachorro.

Aí começou a discussão.
Marido: "nome dele é Mustafá..." Eu: "Mustafá não!"
Marido: "nome dele é Mefibosete..." Eu: "Mefibosete não!"
Marido: "nome dele é Rachid..." Eu: "Rachid não!"
Marido: "Absalão, Amnon, Nabucodonosor, Arafat..." Eu: "Não, não, não e não!"
Marido: "Quero um nome de cara invocado, hebreu ou árabe" Eu: "ok! vou pesquisar!"

Passei um bom tempo buscando uma lista de nomes dentro das caractarísticas que ele falou. Bóris saltou aos meus olhos... achei legal, tudo a ver! Fui dormir e deixei pra comunicar no outro dia.

Quando o dia nasceu fui ver o cãozinho... e, de repende, dei de cara com ele e o cocô dele. Pense numa felicidade. Era o cocozinho tão pequenininho, durinho, sequinho, facinho de limpar...

Respirei fundo e aliviada declamei o que seria o nome dele:

Borico-Tico do Furico Miúdo! 

E foi nesse dia que eu tive a certeza de que ele era o cachorro certo pra mim!

Sorte com a vizinhança, quem tem?

Diário de uma cearense que tem sorte com a vizinhança!

É muito chato ter vizinho chato.
Agora estou considerando a hipóstese de a culpa ser minha... muita gente até diria que eu posso estar atraindo pessoas assim.

Desde que casei, há mais de seis anos, temos a sorte de sempre ter um vizinho ou vizinha que se apropria demais do seu direito de liberdade.

Há alguns anos morávamos num apartamento pequeno (40m2), no mesmo bairro que moramos hoje. Era uma caixinha de fósforo, mas dava demais pra gente. Seria o paraíso se não fosse pela vizinhança.

Moravamos no primeiro andar de um condomínio gigante... Eram dois apartamentos por andar!

A minha vizinha do lado tinha um gosto duvidoso pra música (tecno brega era o mais comum). E não bastava ouvir alto, tinha que cantar a plenos pulmões.

Ela tinha uma cachorrinha linda, mas ela chamava a bichinha com uns nomes tão feios que eu imaginava que quando eu virava de costas a cadelinha virava uma criatura dos infernos.

A vizinha tinha duas filhas. Uma pequena e outra mocinha. Tanto a vizinha, como a filha mais velha, tinham o hábito de andar despidas dentro de casa, mesmo com a porta aberta. O pior é que até a minha sogra flagrou a nudez alheia numa das vezes em que ela foi nos visitar. Pense numa vergonha!

Ela frequentemente batia à minha porta querendo vender umas roupas... Aff!!! Eu dizia logo que não tinha como pagar... ela dava rabissaca e ia pra casa, batendo a porta forte pra demonstrar toda sua indgnação...

Mas não acaba por aí... tinham outros vizinhos legais!
Nesse condomínio a conta de consumo de água era rateada entre os moradores. Sem problemas... passamos 2 anos pagando uma taxa extremamente razoável. Um belo dia a taxa dobrou... Pensamos, ok! Deve ter sido uma situação atípica...

No terceiro mês triplicou, quase quadriplicou... Fui falar com a síndica pra saber o que houve. Ela não entendia o que estava acontecendo, então fomos falar com o meu vizinho do térreo.

Para o meu espanto o casal de Songa que morava lá estavam com um vazamento na torneira da pia há dois meses e acharam por bem não fazer nada! Ótimo! Muito bem... deixei a síndica fazendo o seu papel e fui pra casa.

Outro dia, descendo do prédio, percebi sacos de lixo na entrada do bloco... fiquei matutando de quem seria! Peguei o saco de lixo e fui deixar no lixão do condomínio...

E a mesma cena outro dia, outro dia, outro dia... uma semana! Ah!!!! Aguentei não. Fiquei igual a um siri numa lata.

Peguei minha valentia todinha, disse pro meu marido o que iria fazer e fiz. 

Fui na casa dos Songas, quando eles atenderam a porta eu meti o dedo na cara do Songa Macho e disse: "Há uma semana eu tenho visto lixo aqui na entrada do prédio. Vocês não tem vergonha? Será que vocês acham que este saco vai criar pernas e ir andando sozinha pro lixão? Vocês tem um bebê, querem rato e barata por aqui? Todo mundo deixa o seu lixo no canto certo pra se deixar, então vocês vão deixar também, ok?!"...

Resultado: nunca mais deixaram lixo na entrada do bloco. aff!! é um povo folgado demais.

Bom, saí do apartamento pra uma casa, na esperança de me livrar de vizinhos folgados... mas que nada! A minha vizinha do lado tem dia que encarna a DJ Cantorinha Taquara Rachada.

Algumas vezes não me importo, porque o gosto musical é até bonzinho, então se ela não canta tá tranquilo...

Mas hoje ela se superou! O repertório de hoje teve direito a "no seu colo sou um príncipe de sangue azul, vem cá meu bilu-bilu-bilu"... era qualquer coisa rídicula assim!!! 

Mesmo assim, estou no lucro com a minha vizinhança nova. A única coisa que me irrita é o tal do "bilu-bilu-bilu". Mas acho que não tem vizinhança perfeita.  :P

sábado, 29 de novembro de 2014

A pata e o pobre Boris!

Diário de uma cearense sem noção!

Há alguns dias notei uma estranha textura na pata traseira do Boris (meu pequeno schnauzer de 2 aninhos).

Fiquei preocupada e levei pra pet Shop.  Pedi tosa completa, exceto a barba e sombrancelha, com a esperança de que na patinha tinha apenas uma sujeirinha de período de chuva.

Boris voltou parecendo um pinto pelado. Meu Deus, como esta criatura fica engraçada sem a sua pelagem característica... bichim, ficou fei que dói!

Pro meu espanto tinha algo errado na patinha dele. Realmente era algo mais sério. Sem cogitar muita coisa eu vou ao veterinário com o "Boris da pata suja"...

O veterinário examina, examina, examina... e diz: "seu cachorrinho é muito saudável. Isso aí que ele tem é uma dermatite já em remissão. Normal pra essa raça. Use esta pomada  (o olho da cara de tão caro) pra agilizar a recuperação. Lembre-se de usar três vezes ao dia,  por três dias, após uma limpeza abrasiva com esfoliação."

Eu penso: "ok... passar pomada eu sei, esfoliação beleza... mas como fazer isto na pata de um cachorro???"

Bom, como diria o finado Chapolim, "não contavam com a minha astúcia!"... inventei um método altamente eficaz!

Separei uma esponja de lavar louça para a operação pata do Boris... Além disso, sabão de coco, que é neutro... e duas toalhinhas que já eram dele.

Pronto. Operação: pega Boris, esfolia Boris, lava Boris, seca Boris...
Pata em carne viva, taca pomada no Boris... primeira vez: sucessssooo!

Segunda vez: ok!!!
Terceira vez: éééeeee... acho que deu certo!

Começo a perceber uma melhora quase completa na patinha do Boris... Graças a Deus!

Quarta vez: Jesus, qual era a pata? E agora... valha! Na terceira vez eu fiz o procedimento na pata boa... na dúvida vai as duas patas traseiras!

Gente, está chegando a hora da quinta vez... eu não sei qual é a pata boa e qual a ruim! To com pena do cachorro...

Ai, ai, ai! O que fazer?

O que aprendi cuidando de um bebê

Diário de uma cearense que cuidou de um bebê.

Minha experiência foi curta, mas bastante intensa. Vou compartilhar com vocês tudo o que aprendi.

1. Aquela mamadeira pequena com bico gigante é chamada de chuquinha, ou xuquinha... Não sei qual a origem, mas não tem lógica nenhuma!

2. Limpar bumbum de menino é mais fácil que o de menina. Foi uma das frases que mais ouvi, principalmente da minha cunhada.

3. Cordão umbilical é feio... mas se cuida direito num instante seca e cai.

4. Banho com sabonete uma vez por dia. O outro banho só com água morna. E não é qualquer sabonete!

5. Tudo tem que ser filtrado e fervido. Fiquei curiosa em saber como é que sobrevivem as crianças de pais pouco instruídos...

6. Eu não coloquei chupeta!!! #win #win
Será que no próximo será assim também?

7. Choro de criança não me deixa desesperada...  #ufaaa

8. O que não mama apenas o leite materno  tem que beber água... oferecer sempre após as refeições, ou entre elas.

9. Cheiro de bebê é calmante! Colocar pra arrotar é a plenitude!

10. Ele vai acordar de madrugada!

11. Com alguns casais acontece diferente, mas com a gente foi assim: ele ficou desesperado, desnorteado, mas o apoio e a parceria demonstrou 100% de compromisso  comigo e com o bebê.

12. A gente aprende que amor é outra coisa. Mais intenso, mais profundo.

13. As pessoas ficam felizes por você e fazem questão de demonstrar.

14. Você pode se planejar toda, sempre haverá imprevisto.

15. Ciclo natural dos bebês: acorda-chora-come-arrota-cocô-limpeza básica- dorme...

16. Ser mãe é a coisa mais maravilhosa do mundo!

Trocando seis por meia dúzia - Jansen Viana

Meu pai é escritor, eu amo ler os textos dele... este abaixo é um dos meus prediletos. Compartilho com vocês!

TROCANDO SEIS POR MEIA DÚZIA

- Por favor, gostaria de fazer minha inscrição no Congresso.
- Pelo seu sotaque vejo que o senhor não é brasileiro. O senhor é de onde?
- Sou de Maputo, Moçambique.
- Da África, né?
- Sim, sim, da África.
- Aqui está cheio de africanos, vindo de toda parte do mundo.
- O mundo está cheio de africanos.
- É verdade.
- Se pensar bem, veremos que todos somos africanos, pois a África é o berço antropológico da humanidade...
- Pronto, tem uma palestra agora na sala meia oito.
- Desculpe, qual sala?
- Meia oito.
- Podes escrever?
- Não sabe o que é meia oito, sessenta e oito, assim, veja: 68
-Ah, entendi, meia é seis.
- Isso mesmo, meia é seis. Mas não vá embora, só mais uma informação: A organização do Congresso está cobrando uma pequena taxa para quem quiser ficar com o material, DVD, apostilas, etc., gostaria de encomendar?
- Quanto tenho que pagar?
- Dez reais. Mas estrangeiros e estudantes pagam meia.
- Humm... que bom. Ai está, seis reais.
- Não, o senhor paga meia. Só cinco, entende?
- Pago meia? Só cinco? Meia é cinco?
- Isso, meia é cinco.
- Tá bom, meia é cinco.
- Cuidado para não se atrasar, a palestra começa às nove e meia.
- Então já começou, são nove e vinte.
- Não, ainda faltam dez minutos. Como falei, só começa às nove e meia.
- Você pode escrever aqui a hora que começa?
- Nove e meia, assim, veja: 9:30
- Ah, entendi, meia é trinta.
- Isso, mesmo, nove e trinta. Mais uma coisa senhor, tenho aqui um folder de um hotel que está fazendo um preço especial para os congressistas, o senhor já está hospedado?
- Sim, já estou na casa de um amigo.
- Em que bairro.
- Nas trinta bocas.
- Trinta bocas? Não existe esse bairro em Fortaleza, não seria nas seis bocas?
- Isso mesmo, no bairro meia boca.
- Não é meia boca, é um bairro nobre.
- Então deve ser cinco bocas.
- Não, seis bocas, entende, seis bocas. Chamam assim porque há um encontro de seis ruas, por isso seis bocas. Entendeu?
- E há quem possa entender?

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Coisas de mamãe... Episódio do dia

Diário de uma cearense coisada... (Com tradução)

Estava pesquisando sobre "coisa" e descobri que a minha mãe tem razão. "Coisa" pode ser tudo.
Olha o que diz o Dicionário Michaelis: "Coisa" significa Tudo o que existe ou pode existir; ente, objeto inanimado.

Além disso, tem quase função pronominal, porque a palavra que acompanha ou substitui um nome é denominada pronome. Como "coisa" pode ser tudo, "coisa" substitui tudo, logo "coisa" é pronome... Não sei de quê, mas tenho certeza de que é!

Mas, deixando de enrolação semântica, vamos ao ocorrido de hoje.

O galo não tinha nem cantado pro raiar do dia e eu recebo uma mensagem no meu whatsapp da minha mãe.
Mamãe escreve: "Bom dia, bebê já acordou?"
"Já, mamãe.", respondo.

Então ela continua o seu discurso: "é que tá me dando uma "coisa", quero ir pro médico e não vou conseguir dirigir." (Coisa = dor, mal-estar, passamento, treco...)

Prontamente eu me arrumo e vou buscar minha mãe em casa para levá-la ao médico.

No caminho para a clínica ela se contorce todinha, bichinha, dentro do carro... Eu fico preocupada e com dó! Entro no idioma dela: "mamãe, quer alguma coisa?"

Ela reponde: "que coisa? Quero é tomar remédio pra passar essa coisa!"

Continuamos o trajeto, ao chegar à clínica falamos com a atendente e pedimos pra encaixar o horário com a médica. Mamãe olha pra mim e diz: "pega aí a "coisa" dentro da bolsa." (Coisa = Rg e cartão do plano de saúde)...

Consulta feita, medicação tomada, vamos pra casa almoçar...

Quando eu achava que estava tudo bem ela começa a reclamar de febre. Verificamos a temperatura e estava febril realmente... Como já tinha tomado a medicação eu espero um tempo e verifico novamente a temperatura.
Digo: "mãe, já está baixando a temperatura!"

Ela interrompe dizendo: "tá vendo! Já é a "coisa" fazendo efeito!" (Coisa = anti-inflamatório + analgésico + antitérmico)

O dia vai acalmando quando ela lembra que tem um carão guardado pra mim... E começa a tecer o sermão com cara de "você se danou, hein?!"

Mamãe: "olha, você andou escrevendo um monte de "coisa" de mim..." (Coisa = coisa mesmo)

Eu respondo: "é só pra fazer graça... Mas é bem verdade que a senhora fala muita "coisa", né?!"

Ela começa a falar de forma ríspida: "você fica escrevendo que eu falo "coisa", mas eu não falo "coisa" "coisíssima" nenhuma!"

Ela fecha a boca, percebe o que falou , e rimos alto por um bom tempo... :)

Você há de concordar comigo de que eu tenho o dom pra entender das coisas, né?!

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Sem lógica, mas com significado!

Minha sobrinha de três anos tem um vocabulário rico e bem articulado. Pense numa menina inteligente! Esperta e divertida. Adora uma boa companhia pra brincar. Do jeito dela, óbvio! Pois não nega sua origem. Geniosa de pai e mãe!

Estávamos conversando na cozinha sobre coisas da vida... Minha irmã mais nova (11 anos) chega e fica ouvindo a conversa de "adulto"... 

Eu acho estranho, pois a Ana (sobrinha) não larga a Alexia (irmã). São como unha e carne... E de repente está a Alexia conosco sem a pequena Ana.

Mas não demorou pro cotoquinho de gente aparecer na cozinha também! 
Com uma cara de reprovação, as mãos na cintura, e postura de autoridade ela olha pra Alexia, dizendo: "tia, eu estava te achando no seu quarto, mas você não era!"

Passei dias refletindo sobre como ela conseguiu construir uma frase tão sem nexo, mais cheia de significado...





Coisando as coisas...

Diário de uma cearense que coisa tudo!

Na verdade este diário não deveria ser de uma cearense, mas de uma paraibana!

Minha mãe é expert na arte de dizer "coisa". Parece um idioma paralelo!
Ela vai ficar com raiva deste texto, mas também vai rir de doer a barriga, por isso eu vou escrever!

Eu e os meus irmãos sempre temos que interpretar o que significa a "coisa" que ela está pedindo. Até porque quando a gente pergunta: "mãe, que coisa?" Normalmente ela responde: "essa coisa aí, tá vendo não?"... Sempre muito esclarecedor!

Ontem, numa tentativa de me fazer sair de casa, ela me liga! O diálogo abaixo é a representa fielmente o que ocorreu.

Mamãe: "Minha princesa, como você está hoje? Meu bebê chorou mais não, né? Vem pra cá almoçar uma coisinha comigo... E tu aproveita e passa a coisa no meu cabelo."

Eu aceito, temerosa, mas é minha mãe, então deve ser "coisa" tranqüila.
Começo a imaginar se a "coisa" do cabelo vai exigir que eu leve meu secador e escova, ou se a "coisa" requer alguma perícia ainda não desenvolvida... Nada não! Qualquer "coisa" que seja o Google deve saber como se faz!

Ela termina a ligação dizendo: "eu vou dormir porque cheguei do plantão agora. Qualquer "coisa" se você bater na "coisa" e eu não abrir vai na casa da vizinha que eu deixei uma cópia da "coisa" da "coisa", aí você entra em casa."

Ok! Vocês entenderam tudo até aqui! Com certeza!

Quando eu chego faço exatamente como ela me recomendou. Entro em casa e começamos a conversar sobre qualquer "coisa".

Pergunto: "mãe, o que vamos almoçar?"
Ela responde: "a coisa que você mais gosta!" - responde com satisfação!

Respiro aliviada... Nada como um bom baião de dois de feijão verde e queijo coalho feito pela mamãe, com um ovinho frito pra acompanhar!

Ouso fazer outra pergunta: "E o que era que você quer que eu faça no seu cabelo?"
Pra quê eu perguntei?

Ela responde: "menina, tá vendo aqui não como está esta "coisa"? Vai lá no "coisa" e pega na prateleira da "coisa" a "coisa" que você vai "coisar" no meu cabelo... É melhor ler direitinho como faz a "coisa" pra não "coisar" errado!"

Após duas horas compilando todas as "coisas" eu digo: "Aham! Ok, mãe!? Tudo dominado!"

No final da tarde o cabelo dela ficou "coisado" do jeitinho que ela queria!

Vocês querem que eu traduza as "coisas"? Talvez seja tema para outro episódio deste diário... quem quiser poder tentar advinhar! Vai ser uma "coisa" no mínimo interessante.










Sonhadora de primeira!

Diário de uma cearense em recuperação!

Esses dias de luto que estou vivendo (veja o post anterior), fez a minha família e ao meus amigos se mobilizarem pra não me deixar sozinha, embora fosse o que eu mais quisesse...

Whatsapp, facebook, sms, ligações telefônicas, visitas, beijos, abraços aconchegantes... Tudo no mundo eu recebi! Recebi com muito carinho todas as mensagens de apoio, consolo, de força! 

Veio mensagem até de Portugal e Burquina Faso! Amigos que não via há anos fizeram questão de doar seu tempo pra me fazer sorrir! E certamente que cada uma delas me fez respirar com esperança!

Uma vez, numa situação também muito triste da minha vida, meu pai me disse uma coisa que nunca esqueci: "filha, você pode perder um sonho, mas não pode perder a capacidade de sonhar!" 

Levo sempre isso no meu coração! Sempre!

Este ano resolvemos pela adoção... E com este último episódio (sem dúvidas o pior), foram 3 tentativas frustradas!

Embora meu bebê tenha sido levado pra longe de mim, meu sonho de ser mãe ainda está aqui comigo!

Não sabemos o que faremos amanhã, pois a única decisão que tomamos agora foi a de não tomar decisões enquanto o sentimento ainda está forte.

Agora nós vamos deixar o nosso coração sonhar... Um sonho novo! Um sonho sonhado junto!

Fica aqui o Salmo 126, trazendo nova esperança!

Quando o Senhor trouxe os cativos de volta a Sião, foi como um sonho.
Então a nossa boca encheu-se de riso, e a nossa língua de cantos de alegria. Até nas outras nações se dizia: "O Senhor fez coisas grandiosas por este povo".
Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres.
Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto.
Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão.
Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes.





segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Samuel, o amor que eu perdi!



Samuel,

Eu te conheci quando você ainda não tinha forma, eu te vi e ouvi antes mesmo de você nascer. E eu te amei.
Amei com toda minha alma, com todo meu coração...

Eu lutei por você todos os dias. Eu orei por você todos os dias.

Pedi que Deus te desse carinho, pedi que você se sentisse amado, pedi que tivesse saúde, pedi que nascesse perfeito, pedi que tivesse um futuro lindo.

Mas, meu bebê, não lembro de ter pedido a Deus que você ficasse comigo... não pedi, nenhuma vez! Estranho, não é?! Só percebi isso agora que você foi embora!

A sua partida dói no meu coração como facadas, como agulhas insanas... Esta dor não me deixa esquecer o seu cheiro, o seu choro, o seu rostinho tão lindo...

Ouço você chorando ainda, me pedindo colo, me pedindo leite, me pedindo carinho.

Ainda estou juntando os pedacinhos de mim pra continuar vivendo sem você!

Há quem possa pensar que não foi a vontade de Deus. Eu não penso desta forma. Não mesmo!

Todos os dias em que estivemos juntos você foi a vontade de Deus na minha vida.

Você me ensinou o amor mais puro! Você me deu a oportunidade de aprender a ser sua mãe, mesmo que por poucos dias!

Você me trouxe mais amor... você conquistou muitas pessoas, e estas muitas pessoas estavam te adotando como tios, padrinhos, avós, bisavós, primos, pais! Todos sonhamos com você! e todos estamos de luto agora pela sua ausência.

Você mobilizou todo mundo. Todos queriam fazer parte da sua vida! Meu filho, amor não faltou!

Obrigada pela honra de ter sido sua mãe, obrigada pelo prazer de te colocar nos meus baços. Obrigada pela vida que você me deu... obrigada por me trazer amor, obrigada por me ensinar a amar! Obrigada por permitir que Deus falasse comigo através de você.

E você foi embora! Sem nem entender o que aconteceu, nem imaginar o quanto mudou a minha vida.

E me dói saber que você nunca vai se lembrar de mim!

As orações por você continuam fluindo do meu coração. Pra que Deus te dê amor, pra que Deus te dê saúde, pra que Deus abençoe o teu futuro, pra que Deus te faça feliz!

Cantei pra você os versos de uma música da Zélia Ducan, a que diz:

"Queria descobrir
Em 24hs tudo que você adora
Tudo que te faz sorrir
E num fim de semana
Tudo que você mais ama
E no prazo de um mês
Tudo que você já fez
É tanta coisa que eu não sei
Não sei se eu saberia
Chegar até o final do dia sem você


Por que em tão pouco tempo
Faz tanto tempo que eu te queria
"


Pois é, meu amor, não sei como estou conseguindo chegar até o final desses dias sem você!

A única certeza que tenho é que quando conseguir me levantar estarei mais forte.

Seja feliz!

Mamãe


sábado, 22 de novembro de 2014

O amor e o Gênesis

Diário de uma cearense descobrindo o amor...

Minha releitura sobre o Gênesis, principalmente no seu primeiro capítulo, pode parecer meio piegas, mas pra mim faz todo sentido.

Imagino que Deus nunca tenha precisado de nós. Ele é pleno. Não precisava de nós pra amar. Ele é o próprio amor... Mas o amor é meio folgado. Quer se espalhar. Não porque precisa, mas porque quer... Só!

Deus, na sua infinitude, poetisa... Decide espalhar o amor. Começa a idealizar uma criatura... Planeja à sua própria imagem! A imagem do amor...

Então, aquele que pairava sobre a terra, a mesma que era sem forma e vazia, começou a projetar cada detalhe, pra receber o seu bem-amado!

Ele deu forma ao espaço, iluminou direitinho, climatizou, decorou com carinho e zelo... E tudo o que ele fazia com suas próprias mãos era bom! Tudo era bom pra Deus. Ambiente perfeito pra espalhar o amor...

Então Deus criou sua criatura mais desejada. Surgia a humanidade... Alvo do amor! 

Imagino que ele nutria doces expectativas... Coisas que Deus realmente não precisava nutrir... Mas o imagino olhando pros seus pequenos e se questionando "será que irão me amar?"... "Será que vão gostar de mim?"... "Não importa! Eu amarei incondicionalmente, e espalharei o meu amor em tudo o que estiver ao redor dele... Desejo que o seu coração descubra o amor. E que seja livre pra decidir espalhar o meu amor... E isso alegra o meu coração!" 

Quando decidimos amar decidimos por causa Dele. Voltamos ao Éden, voltamos Gênesis!
Voltamos ao precisoso encontro com o Criador... 

Quando espalhamos o amor fazemos o Senhor sentir, orgulhosamente, que deu tudo certo!


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Maior mentira, ou menor!

Tantos são os jargões usados para qualificar a mentira... Seja a cabeluda, a pequena, a escandalosa... Seja a maior mentira, ou a mais inocente. Todo mundo um dia mente!

Tem gente que mente por mania, outros pra fazer graça... 
Gente que mente pra ganhar dinheiro, gente que mente pra não o perder.

Gente que mente e acredita... Aff! Muita coisa!

E essa introdução todinha foi pra dizer sobre a minha experiência sobre mentira.

Sempre que alguém olha pra mim pela primeira vez já pensa logo: "essa mulher é a maior mentira!"

Você pode estar achando "sem noção", mas imagina: a pessoa se chama Débora Máximo. Só que tem apenas1,545 m de altura. 

Como pode ser máximo? Deveria ser no máximo o mínimo, igual ao salário! Já começa o diálogo com uma mentirinha...

Eu tenho perna curta. A mentira tem perna curta. Logo eu sou uma mentira?
Tem mentira que é cabeluda. Eu sou cabeluda. Logo, se tenho perna curta e se sou uma mentira, ainda me classifico, dentre as mentiras, uma cabeluda!

Eu sou pequena, então concluo que eu sou uma mentirinha cabeluda!

:)

P.s.: mãe, é só uma brincadeirinha inocente! Kkkkkk

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Viver é fazer poesia!

Diario de uma cearense no Rio: viver é fazer poesia!

Hoje amanheci apaixonada. Não sei se já é saudade do meu amor, saudade dos meus amores (família, amigos)... Não sei... mesmo!

Mas, mesmo com toda saudade,  me percebo envolvida em amor. Na plenitude do amor de Deus.

Todos os dias começo a fazer atividade fisica com uma corridinha na praia... e este é o meu momento de contemplar a poesia do meu Senhor.

Hoje ele resolveu me declarar sua poesia.

Como é possível viver sem ler a poesia que Deus nos declara? 
Como é possível não ver sua voz tão delicada, bela, romântica...

Como não amar? Como não se apaixonar todos os dias de novo?

Bom dia! Desejo que você perceba a poesia de Deus no seu dia!

Taxistas em Buenos Aires

Diário de uma cearense na Argentina:

Este acontecido é um dos antigos, daqueles que estava devendo escrever... Aí vai!

Muita coisa pode acontecer quando três amigas sem juízo resolvem viajar sozinhas. E resolvemos mesmo. Praticamente do dia pra noite conversamos sobre o assunto, pesquisamos passagens e compramos o pacote.

Otimo! No problem... Em menos de 50 dias estaríamos em Buenos Aires. As três! E nenhuma das três falava espanhol.

Em Fortaleza mesmo contratamos um transfer que nos levasse do aeroporto ao hotel...

Quando chegamos esperávamos um carro de turismo, no entanto era um taxista que nos aguardava.

Nem lembro o seu nome... Mas lembro como era. Alto, forte, bigodão, parecia o Leoncio do desenho Pica-pau... Uma figura meio asquerosa. Fumante hard profile! E gaiato...

Começou falando muito simpático, entusiasmado... Sentimos logo que o rumo da prosa não era das melhores. Imediatamente começamos a estratégia mais adequada pra estas situações...

Minha amiga, mais discreta que eu, disse logo: "rapaz, nós temos marido no Brasil. Somos de um estado que só tem cabra macho, e que resolve as coisas na base da peixeira!"

O argentino não entendia nada... Então ela começou a gesticular, fingindo ter em mãos uma faca (quase do tamanho da espada do He-man), insinuando cortar o que o maluvino homem tinha de precioso... Acho que acreditou! Ficou caladinho o resto do percurso inteiro.

Mas esse foi só o primeiro episódio... Sofremos com táxi... 

Imagina que em uma das noites, quando estávamos saindo de um restaurante, fomos pedir o táxi pra voltar por hotel. 

Tinha um vago parado bem à frente do restaurante... Tomo a frente e pergunto: "está livre?"... O "criatura" me responde: "estou, me divorciei
 há duas semanas!" #nosense

E ainda teve outras situações nos quatro dias em que estivemos passeando por lá.

Hoje imagino que a maior parte do que aconteceu deveu-se ao nosso portunhol "mal-dizido"...

Fazer o quê?







Emoção me define



Diário de uma cearense arrochada:

Tudo o que eu faço é com emoção. Eu sempre digo: "se não tiver emoção eu durmo"... e é bem verdade!

Quando eu era criança ouvia sempre um sermão quando recusava fazer o que quer que fosse... Aquele sermão que diz "a gente não pode fazer só o que gosta, mas o que precisa também!".

Aff! Não tinha argumento que desse jeito... o jeito era fazer, ou ficar de castigo! (não gosto de castigo, então...)

Só que eu aprendi muito. Entendi que a frase do sermão não está tão certa.

Passei a adotar outro modelo mental pra todas as situações que precisam ser feitas, mesmo que eu não goste de fazê-las. O novo modelo metal foi: é necessário, então se apaixone...

Se é necessário, apaixone-se pelo objetivo...
Se é necessário, apaixone-se pelo contexto...
Se é necessário, apaixone-se pelo método...
Se é necessário, apaixone-se pelo resultado!

Se é necessário, torne-o desejável, admirável, sedutor...

Vivo intensamente. Toda agonia, toda angústia... todas as conquistas!

Eu luto pelos meus dias. Eu faço a minha história.

E eu faço o que eu gosto! Que tal?

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Agora vai...

Atendendo a pedidos vai rolar post sempre que possível!

Se alguém tiver temas pra sugerir...

Deus, somente Deus!

Diário de uma cearense de férias. Parte 11

Deus

Caramba. Deus é bom demais! 
Eu estava cansada, estressada, estafada! Exausta... Pedi pra todo mudo férias. Tirei férias de tudo, até da minha vida.

Não que eu não seja feliz. Sou demais! Mas eu precisava mesmo parar um pouco com a minha rotina louca... Com as minhas cobranças pessoais, com o meu alto grau de exigência de resultado... Com a minha mania de abraçar o mundo sozinha!

Decidi de ultima hora. Até assustei o pobre do santo do meu chefe... Decidi porque eu não estava agüentando nada, nadica de nada.

Não sabia nem pra onde iria. Só sabia que precisava de uma pausa! Não demorei muito pra escolher o lugar que seria meu pequeno paraíso...

Aproveitei a oportunidade, peguei minhas míseras milhas aéreas, pesquisei a hospedagem no booking, comprei pacotes de passeio (dica maravilhosa que meu pai me deu). 

Curti cada minuto... Vocês devem ter visto! Mas dentre todos os espetáculos o maior foi sentir a presença de Deus comigo. 

Eu me senti em casa. Eu não me senti sozinha em nenhum momento, nenhum. Me senti plena, completa, realizada... Senti-me abençoada, paparicada, mimada... Deus me encantou! 

Tive a oportunidade de agradecer por tudo, de contemplar a sua beleza em tudo... Tive a oportunidade de me apaixonar ainda mais!  Volto agora pra minha casa, pros meus amores! Volto inteira! Volto sentindo que este é o meu momento! Que estou pronta, que o meu coração tem muito amor!

E o mais lindo, é que pude transbordar esse amor que Deus me deu pra algumas pessoas por aqui. Duas senhoras, em locais diferente, ambientes diferentes, com as quais conversei bastante tempo, me disseram que estavam se sentindo abençoadas com a minha vida.

Eu não tenho mais palavras pra descrever o quanto me sinto realizada. Eu pude abençoar e ser abençoada! Eu não me preocupei com a minha vida, com as minhas lamentações... Eu sinto que pude ser uma presença de Deus pra essas pessoas!

Vou isso guardar pra sempre no meu coração... O amor de Deus me constrange! 

"Porque nisto consiste o amor a Deus: em obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados."
1 João 5:3

"O teu amor é melhor do que a vida! Por isso os meus lábios te exaltarão."
Salmos 63:3

"Portanto, vá, coma com prazer a sua comi­da e beba o seu vinho de coração alegre, pois Deus já se agradou do que você faz."
Eclesiastes 9:7

"Que o Deus da esperança os encha de toda alegria e paz, por sua confiança nele, para que vocês transbordem de esperança, pelo poder do Espírito Santo."
Romanos 15:13


Férias em Bonito - Passeios

Diário de uma cearense de férias. Parte 10

O que tem de legal em Bonito-MS 

Bom, tem muitos passeios legais... Tem passeios que nem tanto. 

Por isso muita expectativa pode estragar a graça de alguns lugares...

Então, pela ordem:

01. Arvorismo, ou Arborismo - legal, mais não é muito diferente do Y-park ou do Engenhoca... A diferença básica está no ambiente de mato, alcança 15 metros no ponto mais alto e termina com tirolesa na água... Preço R$ 85 na baixa estação! Eu gostei, mas não é um passssseeeeeiooooo imperdível.

02. Gruta da Lagoa Azul - esse é imperdível. A formação é bonita, a água reflete um azul cristalino de encher os olhos... Devido ao calcário e ao excesso de magnésio. O sol entra pela fresta e reflete de forma poética todas as nuanças do local... Lindo demais! Dica: cuidado com o joelho. Entrada da gruta é escorregadia, cheia de pedras e 281 degraus! Mas vale!

03. Flutuação no Aquário Natural - bem legal! Ótimo pra quem nunca fez flutuação. Neste lugar o peixe que mais será visto e a Piraputanga. Pra flutuação você recebe um treinamento na piscina antes. O local ainda oferece uma hidromassagem quentinha... Tem animais por todo canto... Um espaço de descanso, é uma delícia de lugar. E o sanduíche de filé também! Vale a pena alugar câmera under water!

04. Boca da Onça - imperdível. São aproximadamente 5 km de trilha, com uma quantidade inesgotável de degraus... Mas o que tem de cansativo tem também de bonito e agradável. Lindo, lindo, lindo... Um dos que mais gostei. São 8 cachoeiras, uma delas é gigantona, se não me engano a maior da América Latina (como tudo no Brasil)... Dicas: leve toalha. Repelente é inegavelmente uma necessidade. Água e comidinha não pode faltar. São mais de 4 horas de passeio... Cuidado com as câmeras e objetos pessoais... Tem lugares com mais de 150 m de altura. Vc não vai querer perder nada, não é?!

05. Flutuação no Rio da Prata - fora o episódio da nudez holandesa, foi a flutuação mais legal. Obviamente se quiser fazer somente uma flutuação eu indico que priorize esta. Fenômeno... Tem uma trilha de 1 km... A gente viu anta, cotia e uns pássaros bizarros! A comida do restaurante é fantárdiga!

06. Buraco da Arara - legalzim... Não voltaria. É basicamente um buraco de arenito, que tem um bioma no fundo do vale... Lá vivem araras, corujas e outras aves... Além de um casal de jacaré e um casal de sucuri, ou é jibóia (mas não da pra ver). O bonito do lugar é observar as araras revoando, nas árvores... As vezes tem tantas juntas que de longe parece uma árvore cheia de frutas... É bonito. Mas vc não conseguir tirar uma foto legal se não tiver uma boa lente. Nem vai conseguir ver direitinho se não estiver com binóculos. Eu roubei o binóculo do guia.... Kkkkk um italiano que fala português engraçado! R$ 48 na baixa estação. Ir ou não fica por sua conta.

07. Passeio de quadriciclo no Rio Sucuri - legal. Só dura um a hora e meia, com direito a banho de cascata... Mas é bem emocionante. Também é interessante fazer o percurso de bike. E ainda deve ser mais barato.

08. Bóia Cross - é o primo aventureiro da piscina de ondas do Beach Park... Só que com adrenalina... Você vai na bóia descendo as corredeiras do Rio Formoso. Dura cerca de uma hora. É legal, não foi um dos mais emocionantes, mas valeu...

09. Balneários - legal. Você pode alimentar os peixinhos... Tomar banho, comer! Recomendo.

10. Compras - o artesanato local não é espetacularmente diferente... Mas conferir é interessante!

Bom, esses foram os meus passeios... Espero que tenha ajudado!